Pessoas com pedra nos rins têm mais chance de ter doenças cardiovascular!

escrevendo-1024x692Quem não conhece alguém que tem ou já teve cálculo renal? A litíase renal também conhecida como cálculo renal ou pedra nos rins, é uma doença muito comum, causada pela cristalização de sais minerais presentes na urina. Trata-se de uma enfermidade com incidência cada vez maior em todo o mundo, atingindo hoje 15% da população mundial. No Brasil, já atinge de 5% a 12% da população de ambos os sexos e de todas as faixas etárias, sendo mais comum nos homens e predominando entre os 20 e 40 anos de idade.

Considerada a nova epidemia mundial, a pedra nos rins está associada ao desenvolvimento de doenças crônicas extremamente frequentes, como os distúrbios do sistema cardiovascular. Novos estudos internacionais demostram que pacientes com cálculos renais têm mais chance de ter infarto agudo do miocárdio e derrames. Os resultados foram debatidos no Congresso Brasileiro de Nefrologia, realizado no final de setembro, em Belo Horizonte – MG.

De acordo com os autores dos estudos, a formação dos cálculos renais acontece principalmente pela deposição dos cristais contendo cálcio no sistema urinário. Esta precipitação de cristais com cálcio também     poderá ocorrer nas artérias coronarianas e intracranianas e causar calcificações nesses vasos, explicando, portanto, o risco aumentado de problemas cardiovasculares e derrames nesses pacientes. Outras doenças, como a hipertensão arterial, o diabetes, a síndrome metabólica e a insuficiência renal crônica, que pode levar a perda dos rins, também são fatores de risco para pessoas com cálculo renal.

A doença apresenta alta taxa de recorrência (de 80% a 100%) e a história familiar está presente em torno de 50% dos casos. Pesquisadores americanos elaboraram um questionário que, ao abordar os hábitos comportamentais e o histórico de saúde dos pacientes, poderá ajudar os médicos a avaliar quais correm risco de desenvolver as pedras novamente. Relatos de pacientes que se submeteram ao procedimento foram a principal motivação dos pesquisadores, que buscaram um modo de prevenir o cálculo renal recorrente.

Para Daniel Rinaldi dos Santos, presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), o questionário dos cientistas americanos pode auxiliar os nefrologistas no tratamento da doença. Segundo ele, os profissionais brasileiros já adotam uma estratégia semelhante. “A diferença é que, agora, teremos uma pontuação, que pode apontar as chances de o paciente desenvolver a doença novamente, em níveis percentuais”, afirma o nefrologista.
Pesquisas internacionais têm demostrado também que a elevação da temperatura ambiental pelo fenômeno de aquecimento global contribui para a maior prevalência de formação de cálculos renais. Além disso, a incidência da doença aumenta em média 20% durante o verão. “Com as temperaturas elevadas, transpiramos mais e a ingestão de água nem sempre compensa a perda de líquido no organismo”, explica Daniel Rinaldi dos Santos, presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia. Dessa forma, diz ele, a urina fica concentrada e as substâncias que normalmente são excretadas acabam retidas e formam as pedras.

Especialmente nessa época é importante tomar alguns cuidados. O primeiro passo é ingerir água suficiente para obter uma urina clara (esta quantidade deve ser no mínimo 2 litros por dia). “À noite é mais comum formar o cálculo porque as pessoas seguram mais a urina ingere menos água, aumentando o acúmulo de cristais. Assim, é fundamental beber água também nesse período”, alerta Rinaldi. De acordo com o nefrologista, também é importante evitar o excesso de vitamina C e optar por uma dieta rica em fibras e frutas, principalmente as cítricas, como laranja e limão. Se já tiver apresentado o problema uma vez na vida, o melhor é procurar um médico e avaliar as funções metabólicas para ver se é necessário ou não abrir mão de algum medicamento.

Diagnóstico e tratamento
Em relação à dieta, existem alguns hábitos que podem aumentar a incidência de pedras nos rins, principalmente se o paciente já tiver concentrações de cálcio na urina mais elevadas que a média da população. Dietas ricas em sal, proteínas, frutose e açúcares são fatores de risco. Curiosamente, apesar da maioria dos cálculos serem compostos de cálcio e surgirem por excesso de cálcio na urina, não há necessidade de restringir o consumo do mesmo na dieta.
“A restrição, aliás, pode ser prejudicial. Se a pessoa já está perdendo cálcio em excesso na urina e não o repõe com a dieta, o seu organismo vai buscar o cálcio que precisa nos ossos, podendo levar à osteoporose precoce”, revela Rinaldi. O único cuidado, segundo ele, deve ser com os suplementos de cálcio em excesso, já que o consumo destes, principalmente quando em jejum, pode aumentar o risco de pedra nos rins.

A presença de sintomas sugestivos de cálculo renal, como dor súbita no dorso ou sangue na urina, deve ser avaliada por um médico. “Para o diagnóstico, utilizamos exames de imagem, dosagens sanguíneas e dosagens urinárias de substancias como o cálcio, ácido úrico, oxalato, citrato, sódio, potássio entre outros. Esses métodos oferecem informações importantes sobre o tamanho, à localização das pedras e as alterações do metabolismo responsáveis pela sua formação”, afirma Rinaldi.

Mudanças de hábitos alimentares e o aumento da ingestão de líquidos, preferencialmente água, além de medicações específicas são extremamente importantes no tratamento clínico do cálculo renal. Medidas simples, como evitar o excesso de sal e o consumo de carne vermelha e gorduras, controlar o ganho de peso, fazer exercícios regularmente, não fumar e ficar atento à pressão arterial e ao diabetes é fundamental para prevenir a formação de cálculos.

Sociedade Brasileira de Nefrologia

Fundada no dia 02 de agosto de 1960, a Sociedade Brasileira de Nefrologia conta hoje com 3.100 associados em todo o país. O objetivo da entidade é congregar médicos e profissionais da saúde em torno da nefrologia, promovendo o crescimento da especialidade, por meio do apoio aos profissionais, o incentivo a projetos científicos e educacionais, colaboração com as demandas das sociedades médicas afins e com as demandas governamentais, no sentido de garantir à sociedade universalização do acesso à saúde renal.

Fonte:

Daniel Rinaldi dos Santos – presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia. É também professor adjunto da Faculdade de Medicina do ABC, nefrologista responsável pelo Centro Nefrológico do ABC e pelo Serviço de Residência Médica em Nefrologia do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo.

Pessoas com pedra nos rins têm mais chance de ter doenças cardiovascular!



VEJA MAIS SOBRE Notícias


Tríade da Mulher Atleta – Como prevenir e tratar!

Mulheres que praticam atividades vigorosas em excesso, sejam atletas profissionais ou amadoras, correm o risco de desenvolver a Tríade da Mulher Atleta. Isso porque o organismo precisa de energia suficiente para o funcionamento adequado de todo metabolismo, no repouso e no esporte. Porém, quando ocorre um desequilíbrio entre o que se gasta nos exercícios e […]

Leia mais

Autoconhecimento é o primeiro passo para o sucesso!

São muitos os que enfrentam mudanças contínuas em suas vidas pessoais e profissionais. Dentro de nossa busca pelo bem-estar e crescimento interior, podemos repensar muitas coisas que nos permitem nos conhecer e nos orientar para o que nos satisfaz e para o que melhor sabemos fazer. Cada um vive, dia a dia, o próprio sonho […]

Leia mais

As 5 melhores dicas para valorizar e/ou disfarçar as coxas grossas!

Para realçar ou camuflar essa característica, a personal Stylist Juliana Parisi separou as 5melhores instruções para ajudar a equilibrar a silhueta, não atraindo a atenção para esta região e valorizando o que se tem de melhor – sem deixar parecer maior.  TOP 1 – CALÇA FLARE OU PANTALONA Por terem a barra da perna mais aberta, […]

Leia mais

10 passos para reduzir os riscos de um AVC!

Prevenir sempre é o melhor remédio. E não poderia ser diferente na redução dos riscos para o desenvolvimento de um Acidente Vascular Cerebral, popularmente conhecido como AVC. O InterStroke, estudo publicado recentemente sobre a doença, concluiu que 90% dos casos de AVC não ocorreriam se tivéssemos o acompanhamento e controle de dez fatores. O neurologista […]

Leia mais

Alerta – Dor de cabeça pode ser um alerta de aneurisma cerebral!

A dor de cabeça atinge cerca de treze milhões de brasileiros, segundo dados da Sociedade Brasileira de Cefaleia. Por ser uma queixa muito comum nos consultórios, a maioria das pessoas ignora seus sintomas e não procuram um médico para avaliar o quadro da dor. Segundo especialistas, se a sua dor de cabeça vai e volta […]

Leia mais

FAÇA ESTE BLOG SER AINDA MELHOR, ESCREVA O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *