Pessoas com pedra nos rins têm mais chance de ter doenças cardiovascular!

escrevendo-1024x692Quem não conhece alguém que tem ou já teve cálculo renal? A litíase renal também conhecida como cálculo renal ou pedra nos rins, é uma doença muito comum, causada pela cristalização de sais minerais presentes na urina. Trata-se de uma enfermidade com incidência cada vez maior em todo o mundo, atingindo hoje 15% da população mundial. No Brasil, já atinge de 5% a 12% da população de ambos os sexos e de todas as faixas etárias, sendo mais comum nos homens e predominando entre os 20 e 40 anos de idade.

Considerada a nova epidemia mundial, a pedra nos rins está associada ao desenvolvimento de doenças crônicas extremamente frequentes, como os distúrbios do sistema cardiovascular. Novos estudos internacionais demostram que pacientes com cálculos renais têm mais chance de ter infarto agudo do miocárdio e derrames. Os resultados foram debatidos no Congresso Brasileiro de Nefrologia, realizado no final de setembro, em Belo Horizonte – MG.

De acordo com os autores dos estudos, a formação dos cálculos renais acontece principalmente pela deposição dos cristais contendo cálcio no sistema urinário. Esta precipitação de cristais com cálcio também     poderá ocorrer nas artérias coronarianas e intracranianas e causar calcificações nesses vasos, explicando, portanto, o risco aumentado de problemas cardiovasculares e derrames nesses pacientes. Outras doenças, como a hipertensão arterial, o diabetes, a síndrome metabólica e a insuficiência renal crônica, que pode levar a perda dos rins, também são fatores de risco para pessoas com cálculo renal.

A doença apresenta alta taxa de recorrência (de 80% a 100%) e a história familiar está presente em torno de 50% dos casos. Pesquisadores americanos elaboraram um questionário que, ao abordar os hábitos comportamentais e o histórico de saúde dos pacientes, poderá ajudar os médicos a avaliar quais correm risco de desenvolver as pedras novamente. Relatos de pacientes que se submeteram ao procedimento foram a principal motivação dos pesquisadores, que buscaram um modo de prevenir o cálculo renal recorrente.

Para Daniel Rinaldi dos Santos, presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), o questionário dos cientistas americanos pode auxiliar os nefrologistas no tratamento da doença. Segundo ele, os profissionais brasileiros já adotam uma estratégia semelhante. “A diferença é que, agora, teremos uma pontuação, que pode apontar as chances de o paciente desenvolver a doença novamente, em níveis percentuais”, afirma o nefrologista.
Pesquisas internacionais têm demostrado também que a elevação da temperatura ambiental pelo fenômeno de aquecimento global contribui para a maior prevalência de formação de cálculos renais. Além disso, a incidência da doença aumenta em média 20% durante o verão. “Com as temperaturas elevadas, transpiramos mais e a ingestão de água nem sempre compensa a perda de líquido no organismo”, explica Daniel Rinaldi dos Santos, presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia. Dessa forma, diz ele, a urina fica concentrada e as substâncias que normalmente são excretadas acabam retidas e formam as pedras.

Especialmente nessa época é importante tomar alguns cuidados. O primeiro passo é ingerir água suficiente para obter uma urina clara (esta quantidade deve ser no mínimo 2 litros por dia). “À noite é mais comum formar o cálculo porque as pessoas seguram mais a urina ingere menos água, aumentando o acúmulo de cristais. Assim, é fundamental beber água também nesse período”, alerta Rinaldi. De acordo com o nefrologista, também é importante evitar o excesso de vitamina C e optar por uma dieta rica em fibras e frutas, principalmente as cítricas, como laranja e limão. Se já tiver apresentado o problema uma vez na vida, o melhor é procurar um médico e avaliar as funções metabólicas para ver se é necessário ou não abrir mão de algum medicamento.

Diagnóstico e tratamento
Em relação à dieta, existem alguns hábitos que podem aumentar a incidência de pedras nos rins, principalmente se o paciente já tiver concentrações de cálcio na urina mais elevadas que a média da população. Dietas ricas em sal, proteínas, frutose e açúcares são fatores de risco. Curiosamente, apesar da maioria dos cálculos serem compostos de cálcio e surgirem por excesso de cálcio na urina, não há necessidade de restringir o consumo do mesmo na dieta.
“A restrição, aliás, pode ser prejudicial. Se a pessoa já está perdendo cálcio em excesso na urina e não o repõe com a dieta, o seu organismo vai buscar o cálcio que precisa nos ossos, podendo levar à osteoporose precoce”, revela Rinaldi. O único cuidado, segundo ele, deve ser com os suplementos de cálcio em excesso, já que o consumo destes, principalmente quando em jejum, pode aumentar o risco de pedra nos rins.

A presença de sintomas sugestivos de cálculo renal, como dor súbita no dorso ou sangue na urina, deve ser avaliada por um médico. “Para o diagnóstico, utilizamos exames de imagem, dosagens sanguíneas e dosagens urinárias de substancias como o cálcio, ácido úrico, oxalato, citrato, sódio, potássio entre outros. Esses métodos oferecem informações importantes sobre o tamanho, à localização das pedras e as alterações do metabolismo responsáveis pela sua formação”, afirma Rinaldi.

Mudanças de hábitos alimentares e o aumento da ingestão de líquidos, preferencialmente água, além de medicações específicas são extremamente importantes no tratamento clínico do cálculo renal. Medidas simples, como evitar o excesso de sal e o consumo de carne vermelha e gorduras, controlar o ganho de peso, fazer exercícios regularmente, não fumar e ficar atento à pressão arterial e ao diabetes é fundamental para prevenir a formação de cálculos.

Sociedade Brasileira de Nefrologia

Fundada no dia 02 de agosto de 1960, a Sociedade Brasileira de Nefrologia conta hoje com 3.100 associados em todo o país. O objetivo da entidade é congregar médicos e profissionais da saúde em torno da nefrologia, promovendo o crescimento da especialidade, por meio do apoio aos profissionais, o incentivo a projetos científicos e educacionais, colaboração com as demandas das sociedades médicas afins e com as demandas governamentais, no sentido de garantir à sociedade universalização do acesso à saúde renal.

Fonte:

Daniel Rinaldi dos Santos – presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia. É também professor adjunto da Faculdade de Medicina do ABC, nefrologista responsável pelo Centro Nefrológico do ABC e pelo Serviço de Residência Médica em Nefrologia do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo.

Pessoas com pedra nos rins têm mais chance de ter doenças cardiovascular!



VEJA MAIS SOBRE Notícias


9 maiores dúvidas das mamães sobre sexo pós-parto. Vem saber!

Para solucionar estas e outras dúvidas, o site UOL entrevistou Alberto Guimarães, ginecologista, obstetra e um dos criadores do programa Parto Sem Medo; Cecilia Pereira, ginecologista da All Clinik, do Rio de Janeiro (RJ); Cristina Carneiro, ginecologista e obstetra, de São Paulo (SP); Domingos Mantelli, ginecologista e obstetra, autor do livro “Gestação: mitos e verdades […]

Leia mais

Exagerou na bebida? 6 dicas para evitar a ressaca!

Além da moderação e a da importância de não misturar muitos tipos de bebidas alcoólicas, existem outras formas bastante eficazes de prevenir uma ressaca ou de, pelo menos, atenuar as suas consequências. Em primeiro lugar, beba dois copos de água antes de sair de casa, depois, o melhor é comer antes de começar a beber. […]

Leia mais

Aprenda a queimar mais calorias durante a caminhada!

5 dicas para você queimar mais calorias durante a caminhada! 1. Aproveite as subidas. Se estiver andando ao ar livre, aproveite para subir montes. Na cidade, use ladeiras. 2. Prefira fazer tracking. Caminhadas ao ar livre, que forçam desvios de pedras e maior estabilidade corporal, são melhores para queimar calorias. Este tipo de caminhada também […]

Leia mais

Mulher grávida no volante – 4 dicas para dirigir com segurança!

O médico e supervisor de Saúde da Ford Brasil, Edson Kayanuma, lista algumas das medidas de segurança que devem ser consideradas pelas gestantes ao dirigir: • Grávidas devem usar o cinto de segurança de três pontos mantendo a faixa inferior abaixo da barriga, o mais justo possível. A faixa diagonal não deve ficar sobre a […]

Leia mais

Odontofobia – 7 dicas para se livrar do medo de dentista!

A odontofobia, nome dado a quem tem medo de dentista, acontece geralmente na infância, muito por conta do famoso barulhinho do motor dos aparelhos odontológicos ou até mesmo por meio de desenhos animados que retratam a ida ao dentista como algo doloroso. Por isso, é importante que tanto os pais quanto os profissionais da área […]

Leia mais

FAÇA ESTE BLOG SER AINDA MELHOR, ESCREVA O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *