Especialista esclarece mitos e verdades sobre o ensino bilíngue na primeira infância!

5É possível – e saudável – ensinar um segundo idioma a uma criança? Ensinar inglês em paralelo com o aprendizado da língua portuguesa pode gerar algum tipo de confusão nos “pequenos”?
Muitas são as dúvidas em torno do chamado bilinguismo durante a educação na primeira infância. Afinal, é cada vez maior a oferta de escolas dedicadas a esta prática e a quantidade de pais que desejam poupar seus filhos dos percalços em aprender um novo idioma em idade mais avançada. Mas, há vantagens para as crianças?
De acordo com a diretora da rede de franquias The Kids Club, Sylvia de Moraes Barros, especialista no assunto, são muitos os benefícios deste método. “Todo ser humano nasce com o cérebro pronto para aprender línguas. Esta habilidade é mais aguçada entre os dois e quatro anos de idade e, conforme os anos vão passando, a capacidade de aprender novos idiomas com facilidade vai se perdendo”, esclarece. “Se o cérebro é estimulado a aprender novas línguas nos primeiros anos, ele responde imediatamente ao estímulo e vemos o aprendizado de idiomas em crianças acontecer de maneira rápida e extremamente eficiente. E o mais importante: sem que a criança tenha tido dificuldades durante o processo.”
Sylvia explica, ainda, que o estímulo ao cérebro infantil também traz vantagens cognitivas importantes; melhora o raciocínio; a capacidade de concentração e de memorização; ativa as conexões cerebrais e faz até com que a criança passe a usar melhor sua primeira língua. “Devemos sempre ensinar uma nova língua a uma criança da mesma forma que ela aprendeu a primeira, ou seja, por meio da sua exposição ao idioma de maneira lúdica e dentro de um contexto compreensível a ela. Crianças não têm qualquer resistência ao aprendizado e realmente absorvem o que lhes é ensinado de maneira extremamente eficiente, desde que aquele conteúdo lhes faça sentido”, observa.
Para a diretora da The Kids Club, muitos são os questionamentos sobre o bilinguismo porque esta é uma prática relativamente nova no país. Além disso, ainda há falta de informação sobre o tema. “As pessoas que não conhecem o assunto a fundo ainda têm preconceito e acham que este processo atrapalha as crianças. Mas este pensamento está completamente errado”, afirma Sylvia.
O que concluir, então, sobre o processo do bilinguismo na infância? Confira alguns mitos e verdades compartilhados e devidamente esclarecidos pela diretora do The Kids Club.
(X) Mito: A alfabetização bilíngue gera confusão com a língua materna. 
 
O cérebro humano é capaz de aprender diversos idiomas e armazená-los de forma que cada um seja acessado independentemente quando estimulado. O que acontece é que, durante o processo de aprendizado, uma criança pode misturar dois idiomas em uma mesma frase. Isso ocorre não porque ela está confundindo, mas porque ela está aprendendo da maneira correta. O cérebro escolhe sempre o caminho mais fácil e eficiente para realizar a tarefa que precisa. Se uma criança brasileira que está aprendendo inglês quer falar uma palavra e aquela palavra (em inglês) foi realmente aprendida e internalizada pela criança, o cérebro pode acessar a palavra em inglês de forma mais rápida que a palavra em português. Isso é parte do processo natural de aprendizado. Com o tempo, o aluno aprende a usar cada idioma separadamente. 
() Verdade: Aprender inglês em tenra idade evita o sotaque.
Sim, porque nosso aparelho fonador (boca e língua) ainda está em formação e, por isso, é capaz de reproduzir qualquer som. Conforme o tempo passa, esta capacidade se perde. Quando chegamos à idade adulta, perdemos a capacidade até de distinguir certos sons que não fazem parte da nossa língua materna, o que na infância não acontece. Crianças têm maior capacidade para distinguir e reproduzir fonemas, o que permite a perfeição na pronúncia.
(X) Mito: Há conflitos gramaticais em aprender duas línguas ao mesmo tempo.
Não, pois cada idioma tem suas regras gramaticais que são ensinadas separadamente.  Em uma escola bilíngue, como o nome diz, ensinam-se duas línguas. Portanto, a gramática de português é ensinada em português, e a gramática de inglês, em inglês.  Além disso, deve-se respeitar a ordem natural de aprendizado de um idioma, ou seja, seguir o mesmo caminho que percorremos em nossa primeira língua: primeiro, aprendemos a falar, depois, aprendemos a escrever o que já falamos e, por último, aprendemos as regras gramaticais do que já falamos e escrevemos!  O aprendizado da gramática deve ser a última etapa do processo.
() Verdade: É mais difícil esquecer a segunda língua quando ela é aprendida na infância.
Se o aprendizado é feito de forma apropriada e natural, o conhecimento pode ficar adormecido, mas não é esquecido. O aprendizado de idiomas é a melhor e mais saudável forma de se estimular o cérebro de um ser humano. Existem pesquisas que comprovam até que pessoas bilíngues tem menos chance de ter doenças mentais na terceira idade. A infância é a melhor época para se aprender idiomas e é a fase que podemos ensinar o aluno a gostar de aprender línguas, tornando-o, assim, um eterno aprendiz.
(X) Mito: O bilinguismo pode causar traumas e constrangimentos nas crianças.
As crianças não apresentam qualquer tipo de resistência ou interferência no processo de aprendizado, o que torna o método natural, fácil e bastante prazeroso. Há transtornos apenas se o ensino ocorrer de forma inapropriada. O correto é ensinar de forma lúdica, leve e divertida, fazendo com que a criança não perceba que está aprendendo e que se relacione com o novo idioma sempre como algo fácil e divertido.
() Verdade: Pais bilíngues ajudam no processo de aprendizado das crianças.
Sim, pais que são nativos de países diferentes podem e devem falar com seus filhos nas duas línguas. Esta é a forma mais eficiente de se criar crianças bilíngues.  A criança que ouve dois idiomas em casa desde o nascimento, cresce falando os dois fluentemente e alterna o idioma que fala com o pai e com a mãe de forma automática. Mas isso tem que ser natural.  Só funciona bem quando os pais são realmente nativos no idioma.
Filhos de pais que falam o mesmo idioma e estão aprendendo outra língua em sala de aula necessitarão um pouco mais de tempo para adquirir o conhecimento no idioma a ponto de se tornar bilíngue, pois tudo depende da quantidade de exposição à língua.   Porém, se os pais são brasileiros, por exemplo, mas sabem falar inglês, podem estimular o aprendizado do filho envolvendo-se com o que ele está aprendendo, interessando-se, aprendendo as músicas que ele aprende, contando histórias em inglês, etc…  Esperar que pais brasileiros falem inglês o tempo todo com seus filhos é uma situação forçada que não dá resultado, pois é muito difícil de ser levada a diante.
(X) Mito: O bilinguismo pode comprometer o aprendizado da língua materna ou diminuir o interesse por ela.
Este risco não existe. A língua materna é a língua do coração, a que a família fala e é a primeira que a criança vai aprender. Nada pode comprometer este aprendizado. O cérebro da criança tem a capacidade de acomodar todos os conhecimentos sem prejudicar um para garantir o outro. Crianças que aprendem inglês em sala de aula a partir dos dois anos não têm qualquer problema em relação à fala do idioma materno, pelo contrário! Estudos e experiências nos mostram que quem começa a aprender um segundo idioma passa a usar melhor seu primeiro idioma.
(X) Mito: Crianças bilíngues têm atraso no desenvolvimento da fala?
Isso depende muito da criança. Algumas crianças de pais que falam dois idiomas diferentes podem demorar um pouco mais que o normal para começar a falar, mas, quando começam, falam os dois idiomas fluentemente. Isso não é um problema, mas apenas uma acomodação maior do cérebro aos dois idiomas.  Em se tratando de crianças que estão aprendendo um segundo idioma em sala de aula, este risco não existe.  O que acontece é exatamente o contrário, ao aprender um segundo idioma, a criança fica ainda mais estimulada a falar.
Especialista esclarece mitos e verdades sobre o ensino bilíngue na primeira infância!



VEJA MAIS SOBRE Notícias


9 maiores dúvidas das mamães sobre sexo pós-parto. Vem saber!

Para solucionar estas e outras dúvidas, o site UOL entrevistou Alberto Guimarães, ginecologista, obstetra e um dos criadores do programa Parto Sem Medo; Cecilia Pereira, ginecologista da All Clinik, do Rio de Janeiro (RJ); Cristina Carneiro, ginecologista e obstetra, de São Paulo (SP); Domingos Mantelli, ginecologista e obstetra, autor do livro “Gestação: mitos e verdades […]

Leia mais

Exagerou na bebida? 6 dicas para evitar a ressaca!

Além da moderação e a da importância de não misturar muitos tipos de bebidas alcoólicas, existem outras formas bastante eficazes de prevenir uma ressaca ou de, pelo menos, atenuar as suas consequências. Em primeiro lugar, beba dois copos de água antes de sair de casa, depois, o melhor é comer antes de começar a beber. […]

Leia mais

Aprenda a queimar mais calorias durante a caminhada!

5 dicas para você queimar mais calorias durante a caminhada! 1. Aproveite as subidas. Se estiver andando ao ar livre, aproveite para subir montes. Na cidade, use ladeiras. 2. Prefira fazer tracking. Caminhadas ao ar livre, que forçam desvios de pedras e maior estabilidade corporal, são melhores para queimar calorias. Este tipo de caminhada também […]

Leia mais

Mulher grávida no volante – 4 dicas para dirigir com segurança!

O médico e supervisor de Saúde da Ford Brasil, Edson Kayanuma, lista algumas das medidas de segurança que devem ser consideradas pelas gestantes ao dirigir: • Grávidas devem usar o cinto de segurança de três pontos mantendo a faixa inferior abaixo da barriga, o mais justo possível. A faixa diagonal não deve ficar sobre a […]

Leia mais

Odontofobia – 7 dicas para se livrar do medo de dentista!

A odontofobia, nome dado a quem tem medo de dentista, acontece geralmente na infância, muito por conta do famoso barulhinho do motor dos aparelhos odontológicos ou até mesmo por meio de desenhos animados que retratam a ida ao dentista como algo doloroso. Por isso, é importante que tanto os pais quanto os profissionais da área […]

Leia mais

FAÇA ESTE BLOG SER AINDA MELHOR, ESCREVA O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *